Em meio ao sobe e desce com bicicleta, cerveja é alívio

O horário combinado era 4h30 em frente a uma padaria na zona oeste de São Paulo. Uma hora depois, com as 35 bicicletas dentro do ônibus, o grupo Bike’n Beer saiu rumo a Cunha (a 231 km de capital paulista).

Membros do Bike’n Beer na estradinha que leva à cervejaria Wolkenburg, em Cunha (SP)
Luisa Alcantara e Silva/Folhapress

Às 9h, todos desceram do ônibus e pegaram suas bikes. O líder do grupo, Carlos Naggar, deu as instruções básicas e o pedal logo começou.

Os primeiros dez quilômetros foram fáceis -havia várias subidas, mas em um trecho asfaltado. Após essa primeira parte, o grupo se dividiu por quase duas horas.

Alguns seguiram para a pedra da Macela, de onde é possível ver Paraty do alto, e os outros (que não quiseram enfrentar cinco quilômetros de subidas) pararam na cervejaria Wolkenburg após subir mais de um quilômetro empurrando a magrela.

Esta repórter escolheu a segunda opção.

NAS NUVENS
O dono da cervejaria, o alemão Thomas Rau, começou a degustação explicando que sua produção artesanal é feita sob a “lei de pureza alemã”. São permitidos apenas três ingredientes: cevada maltada, lúpulo e água.

Há quatro tipos de cerveja. Mas não dava para tomar todas porque a trilha ainda estava no começo -vale lembrar: não é recomendável exceder no consumo de álcool enquanto se pedala.

O grupo que subiu a pedra voltou -sem ter visto Paraty por causa das nuvens- e a trilha continuou. Depois de uma longa subida, com vista para as montanhas, avista-se a placa indicando a divisa entre São Paulo e Rio de Janeiro.

Muda o Estado, muda a paisagem: agora, a estrada é de terra. Se, por um lado, é mais perigosa devido aos buracos, por outro ganha em beleza, pois o mato é mais fechado.

Em meio à mata atlântica do parque Serra da Bocaina, só é possível escutar o barulho das cigarras e cachoeiras.

Desvia-se de buracos, derrapa-se aqui e ali e, enfim, uma parada para reabastecer: pastel e mais uma cerveja, e mais descida, no asfalto.

Ao fim dessa etapa, mais 14 quilômetros, no plano. Com mais atenção, os bikers fazem o trevo da Rio-Santos e, às 16h30, chegam a Paraty.

Nos próximos dias, nenhum grupo consultado pela reportagem está organizando essa trilha, mas é possível reunir amigos que já pedalam e ir.

Por : A Folha de São Paulo(LUISA ALCANTARA E SILVA)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: